O Sentido da Vida:

O SENTIDO DA VIDA: Antes da queda do homem no jardim do Éden o sentido da vida era viver o presente com o Criador.
Hoje o sentido da vida é fazer Teshuvah para garantir o futuro com Ele. (Rosh Yehudah)

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Noach / Noé

Noach justo ou culpado?
Estas são as gerações de Noé. Noé foi um homem justo e íntegro em suas gerações; com D-us andou Noé (Gênesis 6:9).
A diferente opiniões entre os sábios acerca da justiça de Noach, pois o verso acima diz: “em suas gerações”. Alguns dizem que se Noach tivesse vivido na geração de justos seria mais justo ainda. Outros entendem que ele era justo em comparação aquela geração corrupta, e que se fosse na geração de Abrahão não seria visto como tal. A alegação contra Noach é que ele não rezou pedindo piedade por sua geração, diferente de Abrahão que pediu por Sodoma e Gomorra, entre outros. A culpa de Noach, segundo os sábios, está também registrada nas palavras do profeta Isaias: É pra mim como as águas de Noé, a respeito delas, jurei que não transbordaria mais essas águas de Noé (Isaias 54:9).
Discussão a parte, cada um deve ser julgado dentro de seu próprio contexto, ademais Pirkê Avot 1:6 nos ensina: julgue a todos favoravelmente. Mas, obviamente meditaremos sobre os prováveis erros de Noach em relação a seu convívio com as pessoas de sua geração e sua responsabilidade.
O que devemos entender é que havia um justo dentre uma geração corrupta e isto já é plausível, o que não significa que ele não tinha uma responsabilidade para com aquela geração sendo ele o meio para uma possível ‘salvação’; mas, não podemos esquecer, por meio dele foi preservado não só a humanidade, mas também os animais.
Noach era o único capaz de representar e rezar a D-us por aquela geração, e é criticado por não ter feito.
E hoje, cada um faz a parte que lhe cabe? Assim como Noach, Israel é único em todo o mundo capaz de ensinar as demais nações a servirem a D-us, pois disse D-us: e vós sereis uma nação de sacerdotes e um povo santo (Êxodo 19:6), logo entendemos que uma nação de sacerdotes ensinaria as demais nações a servirem o verdadeiro e Único D-us; uma nação de sacerdotes preparados pelos ensinos da Torah teria muito mais a ensinar do que as sete leis de Noach, pois as sete leis de Noach são baseadas antes da entrega da lei no Sinai, pois as sete leis seria o mínimo que uma pessoa deveria ter, não para servir a D-us, mas para viver bem com a sociedade, tendo o pouco de dignidade. A Prova que a Torah é transcendental, e que ela é a base, principalmente, para as leis do ocidente. O que nos leva a entender que a totalidade da Torah é a real instrução não só para o secular, mas para uma vida religiosa, pois as mesmas não se separam para aqueles que querem viver como um tsadic (justo).
Os sábios deduzem que na outorga da lei a “voz do Sinai dividiu-se em setenta vozes, em setenta idiomas, para que todos os setenta povos desta época pudessem entender no seu respectivo vocábulo a proclamação do Sinai. Em outras palavras, aquilo que a voz do Shofar proclamou no monte Sinai não apelou exclusivamente ao coração ou a consciência do povo de Israel, mas sim aos corações de toda a Humanidade.” Outro comentário relacionado a isso está em Deut 27:8: E escreverá sobre as pedras todas as palavras desta lei, explicando-as bem. Conforme comentário de Rashi: “nas setenta línguas” (para as demais nações). Daí, entendemos a preocupação de D-us com as demais nações em ensinar não só as sete leis de Noach, mas toda a Torah.
Por que não ensinar e preparar o povo, agora, para a vinda de Mashiach mostrando e vivendo a superioridade da Torah, pois quando Mashiach chegar tudo será conforme a Torah de Moshê e não como as sete leis de Noach.
De Sião sairá o ensinamento da Torah, e de Jerusalém a palavra do Eterno (Isaias 2:3)!
Não nos isentemos de nossas responsabilidades!

4 comentários:

mauricio_sdj12 disse...

Gostei do post!

Louvado seja o Eterno por ter paciência com as nações.

Anônimo disse...

Ao não judeu (leia-se: os gentios) foram dadas as 7 leis noéticas, o que basta para serem considerados justos entre as nações. Ao judeu (leia-se: nascido em berço judaico ou o convertido segundo a halachá), exatamente, por terem sido colocados na responsabilidade de serem santos, é que foram dadas as 623 leis, as quais os condiciona a ser uma nação santa e sacerdotal. O judaísmo em tempo algum advogou a tese de que seria o único caminho a alcançar D'us ou 'salvação', daí porque não é uma religião proselitista (o autêntico judaísmo). Cabe ao judeu (leia-se: o judeu nascido em berço judaico e o convertido segundo a halachá) ensinar ao não judeu as 7 leis de Noé. Para o judaísmo moderno, a 1ª lei noética, já está sendo observada pelos cristãos e muçulmanos. Segundo o Talmud, ainda que eles não tenham uma visão correta da unidade de D'us, metafisicamente falando, eles aceitam o D'us Echad dos Judeus, mesmo sendo trinitarianos os primeiros e dualistas os segundos. Esta é a Halachá e lei para todo o judeu. Mais um motivo de o judaísmo não ser proselitista, pois aceita como filhos de Noach, os cristãos e os muçulmanos e, quando HaShem quiser, eles terão e alcançarão a visão correta sobre a unidade do D'us de Israel. O judaísmo é agregador e, aceita toda e qualquer crença alheia. No mais, remeto ao comentario por mim enviado e postado no novo blog do rosh Moshé.

Rosh Yehudah disse...

Estava sentindo a falta de seus comentários provocativos e às vezes até insultantes, mas pra não ficar no anonimato vamos adotar um nome fictício pra você (ou pra vossa excelência), não é bom ser anônimo por muito tempo, ademais não tenho hábito de publicar comentários anônimos. Então vamos combinar; o nome que você usara daqui pra frente é: Yossef. O que acha? Só pra diferenciar dos outros, pois você já é quase um amigo, diferente, mas amigo.

Anônimo disse...

Que nada rosh, os comentários apenas agregam conceitos que devem ser explorados, caso sirvam para alguma coisa.

Insultante seria a agressão vazia de fundamento, o xingamento e o desrespeito, coisa que estou longe de fazer, pois a educação a mim ensinada foi muito bem aprendida.

Discordar de um ponto de vista é algo saudável ou você não conhece a 'máxima' de que quando dois judeus discutem, sairão, no mínimo três conclusões, todas elas plenas de serem aceitas.

Judaísmo é isso. Diversidade de opiniões, ou você acha que o ortodoxo age como o reformista. Judaísmo não é dogmático como o cristianismo. A halachá é uma, mas adaptável ao longo do tempo e de acordo com as diversas correntes judaicas.

Discussão saudável e que nos faz pensar e estudar para melhor conhecer este extraordinário horizonte.

O judaísmo é de uma diversidade incrível, pois há judaísmo secular, ortodoxo, conservativo, reformista, reconstrucionista, humanista e até ateísta.

Quem sabe um dia o ' judaísmo messiânico' ou a 'CINA' também sejam aceitas como correntes judaicas e não cristãs!!!

Basta sair da redoma ao qual muitos se colocam e todos verão a grande diversidade judaica.

Ah, caso queira me chamar de 'yosef', tudo bem, não haverá problema algum, se assim desejar.

Vamos 'chacoalhar' este blog, pois está muito parado. Não digo parado quanto a sua atualização, mas sim quanto a participação das pessoas. Tem tanto seguidor e ninguém emite uma nota!!! Vamos participar!!! Vamos fazer os membros emitirem comentários, travar discussões. Vamos estudar judaísmo...

Ah, rosh, muitos se mantém anônimos com medo de serem repreendidos, punidos ou até expulsos da congregação... Para elogiar é fácil colocar um nome. Aliás, quem só elogia não deve mesmo ter muita coisa a dizer...

YOSEF (como queira).

SEJA BEM VINDO!